quinta-feira, 26 de março de 2015

Caminhando contra o Vento

Caminhando contra o Vento




Sem lenço, e sem documentos; E...Pronto! Num toque “mágico” modifiquei todo um contexto... É que está faltando espaço: e eu não sei lidar com E-mail, e ao bem da verdade (financeiramente falando); ando mais liso do que “Bunda de índio” : ditado que se diz por aqui quando nos falta dinheiro. E a velhice chegando, o que não é fácil camarada! Aposentado honesto por aqui... Só na base do salário “mínimo”, e o resto... É chute no traseiro... E se o coitado Pé na Cova morra; pobre dos Filhos! E da Viúva? Não sei nem o que dizer.
Parece-me que transita, ou tramita, ou se já foi aprovada uma nova Lei; que reza que elas só terão Direito a Benefícios depois dos ‘Korentras’ Anos,ou mais, pois seria muita “coerência” se essa mesma Lei ditasse... Adispois dos Noventa; pois Trinta Anos após os Quarentas: ainda está dentro dos limites das perspectivas de vida ativa, e saudável: e não adianta contestar; são dados da OMS. É muita Cara de Pau: e ninguém consegue questionar a nossa Previdência... E tudo isto não somente por causa do Lalau, e da Jorgina... Não concorda! Ficou até parecido com uma Tese de Mercado aplicado lá pras bandas do Xingú... O Homicídio sem Morte: quando a hipótese parte de um Princípio... Enterra-se o indiozinho vivo, e não há Funeral, e omitam-se as provas do crime, e descartem quaisquer testemunhas; mas presuma-se que foi um Ritual de fundo Cultural e Antropológico: si e somente si, ocorrer “deduragem”: mas para tudo existe uma razão para essas “benfeitorias”, pois estão nos Complexos Depressivos do Campo Psi; e até estão nas justificativas para os Suicídios sucessivos por pressão: e o contraditório fala assim:
Índios têm ONGs
Índios têm Madeira
São Donos dos Diamantes
E protetores das Jazidas de Ouro e Prata
E de outros Metais Pesados
Manganês, e Ferro
Sem falar de outros Elementos
Raros!
Mas encontrados
Na Tabela Periódica dos Elementos Químicos
Da natureza
Dos bem aventurados!
 E legítimos Donos de suas Terras
Defensores dos Charcos
Navegadores exímios
E dídimos dos Incas
Íntimos dos Apicultores
E Meieiros de sua própria pobreza por cativo
De um sonhado Desenvolvimento Sustentável
Dos Minimizadores das ocorrências
Nesta imensa Bacia Hidrográfica
E nestas Montanhas
Encobertas por Matas, e Florestas
Que para não pagar o Pato pelos seus Pactos
São todos considerados... Inocentes
De Pai, e Mãe
E Nacionalidade sem deveres
Neste rascunho
Que divulgar não é bom;
Dá-me vergonha,
Pois pode mexer
Com toda Economia do Mercado
E tem em muita gente envolvida nisto
Sem nem dizer o que será
Das Exportações, e das Propinas
Melhor mudar de assunto
E lembrar que haviam razões
No desabafo do Mouro
E que Nietzsche merece um Prêmio Nobel
Grande pensador!
Apóstolo da Hipocrisia
Profeta da Filosofia dos instantes
Que bem pronunciou-se quando disse:
Que a briga maior não é base
No meio possa ser exequível
Mas inexoravelmente desenvolve-se
No Topo das Pirâmides
Mesmo que estas troquem a Base pelo Ápice
E se inverta de forma diferente
Como a Pirâmide Imaginável de Kelsen
Como o Sino Salomão
Como toda Ilusão
De quem procura o Sol como Esperança
E o Céu sempre Azul... Como Consolo
E no Paraíso... A Felicidade
No falso brilho das Estrelas que surgem
E que indiferentes dizem... Ah! Deus!
Té mais ver
Anônimos da Poesia e da Arte
E Desatrolados dos Desconhecido
Sofrência até morrer
Como todo bom torcedor do Botafogo
Futebol, Clube, e Regatas
Campeão desde 1910 d.C
E caminhando sempre
Contra Ventos
E contra Tempestades
Quer mais?





                 Dr. Ademar Raimundo de Barros.

terça-feira, 24 de março de 2015

‘Agrinaldas’... Não!

‘Agrinaldas’... Não!



Brancas como a Flor dos Lírios de algumas “Virgens”
Mas poderiam ser Róseas
Como a Flor do Lótus... Nelumbo nucifera
Para comentários de Varões
E reflexões das Núpcias, e Nubentes
Irresponsáveis como Hímens... Complacentes
Sempre irresponsíveis
E na intimidade pensam... Nos iludem
Mais uma vez forçado a visualizar. Ainda há pouco, em Telefonema para a Paraíba; que Epitácio Pessoa queria que fosse para riba, e a corrupção não deixou: na época do Governo Castro Pinto (eu não falei noutro Castro; seria considerado por incrível, Comunista), e sua decepção maior: desviaram as verbas enviadas para a construção de um Porto de Alto Calado, e de um Aeroporto no Planalto do Cabo Branco; e construíram um Porto tão Calado, que foi denominado ... Do Capim... E para contrariar: construíram o Aeroporto nas Terras de Santa Rita; pequenininho que nem o Abacaxi Cabeça de Gato: nascido no Paraíso particular daquele Governador... Quase tudo como sempre foi; que nem agora.
E a decepção foi tamanha que ao morrer este Presidente proferiu: “Se a minha Alma tiver um pouco de vergonha, jamais voltaria a Paraíba; mesmo depois d’eu morto”.
E o que me informaram no telefonema? Que a Postagem de... Aliás! Juro! Nem pensei; se apresentava totalmente em branco nos Anônimos da Poesia e da Arte; o quê não é nenhuma novidade para mim. E quem me informou; falou que deixou um Comentário nos Desastrolados do Desconhecido (o qual não existe; pois talvez desviaram), e para maior decepção de minha parte: observei constar duas visualizações neste Blog o quê já anseiam deixar como constância em: HTTP://desastroladosdesconhecidos: para depois usar como critério de exclusão por desobediência as normas existentes, ou seja: a não visualização de minhas próprias páginas... E o que eu deva fazer?
Viva a Franca Liberdade!
Branca!
Qui nem as ‘agrinaldas’ dos defuntos
Mas dêm-me este... Cálice
De Vinho não!
Nem Tinto... Nem de Sangue;
Mas, porém, contudo, todavia...
De Césio, Ósmio, ou Plutônio
No meio dessas manobras intrigantes
Autoritárias, e intransigentes
Pois viva ainda é... A ignorância
Parla Moisés!
Grita Pablo Neruda!
Prêmio Nobel da Paz
Os Estatutos do Homem... Foi um Sonho
Mera ilusão de um pensador
E a Liberdade... Uma grande mentira
E cada verdade
Ou será Heresia, ou Falácia
Sem mais... E sem... Nenhum comentário a fazer

                          Dr. Ademar Raimundo de Barros.

         

segunda-feira, 23 de março de 2015

Aliás... Juro! Nem Pensei!

Aliás... Juro! Nem Pensei!


E era assim
Mas continuará do mesmo jeito
Três toques seguidos... Era um S
Pausa!
Três toques mais lentos... Era um O
Pausa!
Três toques semelhantes aos primeiros... Outro S
SOS   SOS   SOS... Sucessivamente;
Era um pedido de socorro
E somente muitos anos depois
Surgiram sinalizações... Aves de Avisos
Tal como as que “constam” em meu Visor
Súbitas, e subentendidas... Como
Quem matará claro! El Cid?
Se aquele jáz já faz... “Milênios”
Mil Anos ou pouco mais... Supomos quase Dois
O outro... Censuraram
Por fidelidade intempestiva
Bastam! As utilidades
Que me fizeram criar:
Na inutilidade dos Inúteis... Alguns perfis
E desacreditar das Almas Supersticiosas
Que “temem” uma Revolução
Sob os auspícios de Porta-Aviões
Apoitados na foz do Oiapoque
Pode?
E sob o Comando Militar do Faroeste
O novo Ponto Colateral que Mira Lasers visam
Desastrolados no Desconhecido;
Informando-vos
Lindo! É o Inferno
Pois um Pen Drive assassino
Vindo do espúrio mundo do consumo
De onde exalam os Perfumes dos Refinos
Onde habitam as Almas Censurosas
Tão sedutoras, e fatais
Deixou este recado... Botaram veneno no Jarro de Pandora
E as esperanças morreram num Bloqueio
Vendo algo subir
E subir!
E se assumir...
Como Declaração de Guerra em tempo de Paz
Por uma Moeda só
Ou seja sua Cara, ou sua Coroa
Por este grande amor que ela declama:
Pela Liberdade dos Povos
Por suas soberanias
Se sua Democracia é pertinaz
Na base de... Só a sua
Na base... Somente a minha
Na forma de... Odeio a tua
Na base... De que todas são republiquetas de Caudilhos
Qual é! Meus Filhos
Já basta o Sal da Terra
Chuva, e Sol...
Secas e Inundações
Nulas!
As perspectivas por enquanto
Mas amanhã talvez suba bem mais
Para compartilhar com os vencidos
De uma Batalha cá pra nós... Cartorial
Só para ver se a corda arrebenta-se
E alguém possa dizer:
Inda bem! Foi fraude Eleitoral
E a Petrobras está isenta disto... E nós também
Hoje é Domingo minha gente!
E me esqueci
Mas Setembro virá
E todas Primaveras poderão sorrir
Se cada Pé se der... Em cada Leira
Se em cada Mão couber
Exata a Luva
E se o pensamento não for; Um... E só
E sim... Todos por um
Nunca... A troco de aventura
Retornarei
Mas continuarei assim
Tomara meu Deus! Tomara!
Good Morning unthankful World!
Today is Monday
Yesterday is passed
But I can see… Não é possível discutir Política
Mas que País é este?
Que um Pen Drive frita um Apar
Daí perdi de vez
O lirismo que já me falta
Ou que foi para mim... Sempre escassez
Nesta embriaguês Parnasiana
Fugindo sempre do Clássico
E neste Prosaico me afirmei
Cadê agora!
Cê qé que eu taco o talco, ou qé qui mui?
Si é qui prontei lasqueira
Assim falavam os “Barbeiros”
Que vinham lá; De... Serra da Raiz
Disculpe! Num tenho tantas Cuipas Sô!
Se todos se misturam no País
Mas fosse eu... Filho de “Tamanduá Bandeira”
Era a Literatua viva meu irmão!
Senões não existiam;
E meus erros... Puríssimos Hibridismo Cultural
Em Prosa, e Versos
E no Neologismo... Minha fama
Falar posso de Pedras... Bugalhos desta vida
Que nem máfulas posso
Pois as Açõesmipre não se ladetam... Para mim
Só Gossopublum
Suaves! São as marcas do Zinco
Penosas! São as placas de Platina
Mas as Balas de Aço... São Dolosas
Nocivas... São as águas de Março
Mortíferas sempre serão... As Balas de Urânio
Morou!
Lícase! Não brea a Cabo
Sipo o Silêncio tida... Cê Casou!
Isto é Linguística Dacamara!
Baitola não!
Viola bitolada, e Carioca... Cê Manjou!
E os Caras lá entendem...
Por Santo Antônio de Jesus!
Por São Sabino!

Sem mais ao som...





                        Dr. Ademar Raimundo de Barros.

sábado, 21 de março de 2015

Felinos Afins

Felinos Afins




Não novo o termo
Mas nesta logística no Plural tudo é relativo
E de repente poderemos dizer.. Nós!
De forma uníssona
Depende da relação... De causa, e efeito,
Pois na relatividade... Tudo é possível
E imaginável até
Que um simples Queijo
Seja transformado em Armistício
E coitado de mim!
Com essa consciência flexível
Que vê que nada neste mundo é impossível
Mas por irreverência pensa
Neste ditado em Latim Barroco...
Refescatus culles Pato... Lacuna Est
Grande verdade
Para quem conhece o Silogismo da Rapadura
É dura, e doce... Nunca foi mole;
Mas há um jeito próprio de se comer;
Nem que se quebrem Dentes
E atoa sorrir
Por ver os Gatos viverem
Aos beijos, e abraços... Com os Ratos
Comendo do mesmo “Queijo Suíço”
Ou do mesmo... Queijo de Prato
E conscientes de que todo mundo sabe disto:
Que no Boteco da esquina
Da Tonga da Mironga do Caburêtê;
O Queijo predileto dos Filósofos... É Mineiro
E servido; Pra... Tira-Gostos
Mas no Nordeste!
Come-se este Queijo com Farinha;
Preferentemente... Farinha do mesmo Saco
Ah! Cachaças!
Porres de alívio nesta vida
Quem foi que impôs
Sal, e Limão... Num Gole, e atrás do outro;
E os Dedos; Lept! Para disfarçar
Ou um Tapa de leve na Mesa... Pra engolir
Comuns aos órfãos... Destas Sociedades
E crias das Elites
Será que eu possa gritar meu Deus?
Pai!
Por que me abandonastes!
Nestas loucuras contidas no Jarro de Pandora
Onde a Esperança não há
E se houver... Duvidosa será
E mude esta Canção de gesta de Mio Cid
Mouriço sidi “Senhor”
Campeador de todas as sofrências... Em desabafo;
E apontou um Gato
E dedurou um Rato
Comendo do mesmo Queijo
Mas é Bíblico Pai!
“ Chegará o Dia; aonde ou quando;
Os Lobos, e as Ovelhas... Poderão pastar no mesmo Pasto “
Onde foi que errei meu Pai!
Nestes paradigmas; e diga-se... De passagem

                                           Dr. Ademar Raimundo de Barros.

Comentários do Autor: Acho que já me defini demais neste “Banzeiro”: e por Santo Antônio de Jesus! Urubuservando bem, é chagada a hora de dizer: que o resto é o Silêncio, por que jamais eu poderia compartilhar com esta afirmação... Sem ter nada a perder, pois ainda acredito que não cultuamos o Suicídio (é o bastante isto), apesar de ter na consciência que a criminalidade nos ronda, e nos arrodeia cotidianamente. Imagine! Eu falei do roubo da Placa do Carro da minha mulher: e para minha decepção surgiram várias quadrilhas (no meu tempo eram festejos de São João), mas se somadas hoje: ganharam dimensões de forças, superiores as Esquadrilhas de Aviões dos Países em Guerra. Mas de tanto urubuservar estes detalhes amiúdes de Milhões: fiquei inculcado com a pontaria (não confuda com o “palavrão”) dos francos atiradores... Ninguém acerta ninguém: e lá não sei pras quantas, uma Bala perdida, ou achada; acerta justamente a Cabeça de uma Mulher, ou de uma Criança, ou de um home honesto e trabalhador (até que se prove o contrário); e esta Bala, achada, ou perdida: sempre e somente vem do lado da Polícia: não é estranho? Dia e Noite a dentro, uma Batalha só! Armas de Grosso calibre nem se calcula: convenhamos! Babilônia em chamas em pleno Complexo, ou Morro; seja lá de quem: alguns menores presos (serão libertos); alguns Militares com marcas de Tiros nas Canelas; ônibus incendiados; Avenidas interditadas por Barricadas (algumas delas acesas): e de repente a calma faz-se Encanto... E de repente quebra-se o Silêncio... Justiça! Justiça! Justiça! Encontraram um Morto num canto distante... Será que foi o ”Monstro da Lagoa”? Agora uma coisa é certa: cronologicamente falando; aqui, acolá, encontra-se vários Mortos por acertos de contas... Mas o Rio de Janeiro continua lindo: principalmente em Fevereiro, e Março... Alô! Alô! Terezinha! Aquele abraço... E em São Paulo o som... Demônios da Garôa... Minha Mãe não dorme enquanto eu não chegar; sou Filho único... E tenho minha casa pra olhar... Não posso ficar.
Entenderam-me?
Mas para ratificar as minhas posições
E satirizar os antagônicos dos:
Anônimos da Poesia e da Arte; E
Desastrolados do Desconhecido
Quero deixar este Elogio
Relógio no Tempo exato
A um dos discípulos de Erasmos... Leonardo Boff
Que vem a Mídia
Proferir em síntese
O quê as manifestações contra
A Presidente Dilma representaram;
Nada mais do que
A ogeriza do povo Brasileiro
Contra seus próprios Pobres
E que as Almas Pesarosas gostam disto
Como hoje, e agora, por reflexo
Brasil/Postagem por Nação... Zero;
HTTP://anonimosdapoesia blogspot c... 1
2! No... Desabafo do Mouro
Dá pra entender?
Demais Nacionalidades:
Alemanha
França
Indonésia
Estados Unidos... 1
Que segundo o Presidente Obama não grampeia
Mas um zoiudo, zoiudim; Aves Avisos vem... Contesta
Contudo, todavia... Obrigado!
E calem-se... As Almas assombrosas
Cúmplices das Almas Assombradas
Primas das Almas Ansiosas,
Pois quem não deve, não teme,
Nem escondem-se
Nas sombras das Almas Onipotentes
Olhando o Dólar subir... E rezando
Sobe mais! Sobe mais! Infeliz!
Sobe mais que ela cai...
Ou sobe! Sobe! Sobe! Muito mais... Que ela possa cair
Inté mais ver!

Dr. Ademar Raimundo de Barros.